segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Estafa Profissional - Burnout

       A estafa profissional apresenta-se como um problema que se inicia muitas vezes nos cursos pré-vestibulares e se extende para a vida profissional gerando alterações físicas como gastrites, bruxismo e cansaço, e comportamentais tais como abuso de álcool e drogas e transtornos de ansiedade (dentre eles o Transtorno de Pânico). É cada vez mais comum encontrar casos como os relatados no texto abaixo no consultório. Muitas vezes as perguntas a serem respondidas no início do tratamento são: Por que ajo assim? Onde quero chegar trabalhando dessa forma? Será que trabalhando assim consigo dar o meu melhor ou acabo fazendo mais do mesmo e cometendo mais erros? Quais são minhas alternativas?. Ao responder essas perguntas a motivação para tratar-se e buscar alternativas mais saudáveis de interação com o mundo podem ser construídas por meio treino de novas habilidades, enfrentamentos mais adequados e exposição à novas contingências. Não é tão simples assim, mas parece um bom começo.

por Pedro Quaresma Cardoso

ESTRESSE

Alunos de medicina sofrem de estafa física e emocional

DE SÃO PAULO - Mais de 40% dos estudantes de terceiro ano de medicina nos Estados Unidos têm sintomas moderados ou severos da síndrome do "burnout", termo que caracteriza esgotamento físico ou mental e está ligado à estafa profissional. Segundo pesquisadores da Universidade Emory, nos EUA, o resultado sugere que o problema, comum em profissionais da saúde, se desenvolve progressivamente ao longo da educação médica. Para chegar à conclusão, os autores avaliaram 249 estudantes, que responderam a perguntas de um questionário padrão. A pesquisa mostrou que os sintomas começam a se instalar já no primeiro ano -20% dos entrevistados apresentavam o problema no início da sua formação. Aqueles que relatavam maiores níveis de estresse e baixo suporte emocional tiveram o dobro de chance de apresentar altos índices de "burnout" do que os alunos que sentiam ter mais controle sobre suas vidas ou algum tipo de apoio psicológico.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd2308201003.htm

Um comentário:

  1. Texto muito bom! Parabéns Pedrão... Junior

    ResponderExcluir